Notícias

 

Lixo: de problema a oportunidade

10/06/2015

A conscientização de que o investimento em coleta e destinação adequada de resíduos deve ser prioridade foi um dos temas centrais do segundo dia de atividades VI Seminário sobre Tecnologias Limpas, que acontece em Porto Alegre. As palestras iniciaram na segunda-feira e seguem até quarta-feira (10/06), no Hotel Continental. A iniciativa é da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental - Seção Rio Grande do Sul (Abes-RS), Centro Nacional de Tecnologias Limpas (CNTL) e UFRGS.

Um dos destaques foi a experiência italiana trazida para o público presente. O especialista ressaltou que além de haver o correto tratamento dos materiais é preciso que a população tenha o costume de separar os resíduos. O diretor geral da REA IMPIANTI, Massimiliano Monti, destacou que na região da Toscana, no norte da Itália, há uma experiência muito positiva e eficiente com o manejo do material reciclado, procurando sempre destinar o lixo de forma correta.

- O lixo não é o problema, se você manejar os resíduos de forma correta. O que é importante é considerar a reciclagem como uma prioridade. Investimos em itens que podem ser reaproveitados diversas vezes. Portanto, se destinar corretamente, não se tem um problema e sim uma oportunidade - salienta Monti.

Para Massimiliano é preciso repensar todo o processo. Se analisar apenas o custo, talvez, a reciclagem seja mais cara. Porém, no futuro a situação será invertida. Ele acredita que haverá a criação de uma cultura da reciclagem em todo o mundo.

Outra atração foi a palestra da Analista de Serviços Técnicos e Tecnológicos do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Minas, Rejane Tubino, que trouxe as diversas carências com relação às prestadoras de serviços ambientais.

- O que se percebe é a falta de prestadoras de serviços ambientais para alguns tipos de resíduos no estado, e isso acaba deixando o processo mais caro, e aumenta a necessidade de transporte. A indústria calçadista, por exemplo, acabou realizando um esforço maior e desenvolveu uma prestadora de serviços para receber seus próprios resíduos - disse.

Outra questão salientada por Rejane foi a falta de investimento em tecnologias que possibilitem a criação das prestadoras de que o estado necessita.

- A universidade tem essa tecnologia, mas não tem dinheiro para financiar. O ideal seria a união da universidade, empresa e governo, formando uma parceria para a criação de entidades para pesquisas e desenvolvimento de políticas que auxiliem as empresas.

Membro do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense, Marise Keller, destacou as características que são buscadas pelas empresas que buscam uma prestadora de serviços ambientais.

- Descobrimos que as empresas buscam rastreamento online, monitoramento de qualidade, se há o cumprimento de cronogramas, entre outras prioridades. É muito importante também, que a qualidade do próprio resíduo que entra na empresa seja monitorado, destacou Marise Keller.

A Analista de Serviços Técnicos e Tecnológicos Sênior do CNTL SENAI UNIDO UNEP, Joseane Oliveira, destacou o projeto de Simbiose Industrial que procurou oportunizar as empresas a conhecer os resíduos e o melhor modo como gerenciar e trocar esses resíduos.

- O principal objetivo é desviar os resíduos do aterro, colocando-os no processo produtivo de outra empresa. É preciso trabalhar com a indústria olhando para a natureza e buscando inspiração, salientou Joseane Oliveira.

Durante o turno da tarde, o palestrante Luciano Souto apresentou estudo do tratamento e destinação de resíduos sólidos industriais perigosos de empresas, comentando o desafio de quebrar uma tradição de só considerar o critério financeiro não levando em conta questões técnicas e ambientais para tomada de decisões.

Após, foi feita apresentação do case da fabricante de bebidas Fruki, que incluiu o programa Tecnologias Limpas no Planejamento Estratégico. Entre as iniciativas a empresa criou o Ecotime, voltado para promover ações sustentáveis no programa. A implantação de medidas trouxe, além do ganho ambiental, economia financeira e de consumo de água e geração de resíduos.

O VI Seminário sobre Tecnologias Limpas segue nesta quarta-feira, a partir das 8h30min, com temas como Geração de Energia nas pequenas propriedades rurais, Regulação do Reúso no estado de São Paulo, entre outros.